Realização Profissional:

Isso é algum tipo de frescura?

ENJOY! • Janeiro de 2019

É interessante como passamos tanto tempo negligenciando uma parte tão importante e significativa de nossas vidas: a nossa vida profissional.

São muitas pessoas vivendo atualmente uma grande insatisfação profissional. Mas ainda assim insistem neste caminho.

Parece que prazer e profissão andam separados. E essa separação começa na mente de cada uma dessas pessoas, pois acreditam que prazer e trabalho não andam juntos. Já ouviu essas frases abaixo?

Ou você é feliz no trabalho ou você ganha dinheiro.

Não posso pensar em satisfação profissional agora, preciso focar em ganhar dinheiro.

Esse tipo de postura frente ao trabalho é a típica atitude de sobrevivência em operação. As pessoas se submetem a situações absolutamente agressivas para si mesmas (alta carga de tarefas que não contribuem com o desenvolvimento, atividades que nada tem a ver com o perfil da pessoa, ambientes sem possibilidades alguma de crescimento intelectual, profissional, etc), tudo em troca de um salário, em nome da sobrevivência.

É claro, todo ser humano precisa satisfazer suas necessidades básicas. Conhece a pirâmide de Maslow (famoso psicólogo e pesquisador americano)? Ela mostra bem as necessidades humanas que precisam ser satisfeitas para que a pessoa possa viver em plenitude, viver em equilíbrio.

As pessoas conhecem bem as necessidades de sobrevivência, mas pouco conhecem sobre o topo da pirâmide: a Necessidade de Realização.

Isso faz parte do pacote completo que cada ser humano é. Mas as pessoas negligenciam, operam a vida toda tentando manter os aspectos de sobrevivência e sacrificam sua própria necessidade de realização.

Tudo isso por causa de uma crença construída ao longo de gerações que separa PRAZER de TRABALHO.

No entanto, ao sacrificar essa necessidade humana, começam a surgir as consequências em outras áreas de necessidades básicas:

  • A saúde começa a ser prejudicada;
  • Relacionamento amoroso começa a sofrer com o estresse gerado pela insistente sustentação de uma vida sem realização;
  • A vida social começa a ficar de lado…

….e então a pirâmide parece começar a querer desabar.

E muitos ainda assim não conseguem entender por que está tudo desmoronando! Muitas podem ser as causas, mas a falta de realização tem sido um dos grandes fatores de muitas consequências em diversos outros aspectos da vida:

  • Desânimo para cuidar de si mesmo, com consequências para a saúde.
  • Remédios atrás de remédios para ansiedade, depressão.
  • Autoestima baixa.
  • Desânimo para os relacionamentos sociais.
  • Problemas no relacionamento familiar, amoroso.
  • Etc…

Muitos vivem uma série desses sintomas e não conseguem perceber que a necessidade de realização está sendo sacrificada.

Em outros casos, a pessoa já percebe que a vida profissional está gerando todos estes transtornos, mas continua neste sacrifício diário porque acredita que realização profissional é algum tipo de bobagem, ou “frescura”, e que tudo o que tem que fazer é parar de reclamar e ir para o trabalho. A qualquer custo. Não se dão o direito de pensar em bem-estar, em sentir prazer trabalhando, porque acreditam que isso não é possível, que não tem direito, que é para poucos, etc.

Tudo isso porque não entendem que o sentimento de realização é uma das necessidades deste complexo ser que somos, humanos.

Entenda, portanto, que toda a sua estrutura de necessidades básicas pode ser prejudicada se houver um desequilíbrio desta pirâmide.

A necessidade de realização é, não apenas natural, como também essencial para que você consiga sustentar todas as demais necessidades com a segurança que precisa, vivendo em estado de PAZ E PLENITUDE. E, nestes estados, você estará em melhores condições de dar o melhor para si mesmo e sua família.

Verifique como tem encarado sua necessidade de realização em sua vida. Note se tem negligenciado. Você se respeita como ser humano a ponto de se dar o direito de suprir essa sua necessidade tão humana e fundamental para manter o equilíbrio da sua pirâmide?

By | 2019-02-03T20:22:15+00:00 janeiro, 2019|Reflexões|